Como a tecnologia pode ajudar o pequeno varejo? | By Maigui Souza

 A Nielsen – multinacional especializada em pesquisas de mercado – fez um levantamento e apontou que as vendas totais do varejo moderno cresceram 12,8% no primeiro semestre de 2020, ante aos primeiros seis meses de 2019. Já o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou um forte avanço nas vendas no setor: 13,9% em relação ao mês anterior. Esta foi a maior alta da série histórica da pesquisa, iniciada em janeiro de 2000. O crescimento acontece após o mês de abril registrar um recuo recorde de 16,3% em comparação a março.

São números que empolgam, com certeza. Grandes players varejistas já vinham em movimento consistente e planejado de transformação digital, implementando novas formas de venda, atendimento e impulsionando suas plataformas.  No entanto, o varejo brasileiro não é feito somente de “Magalus” e “Via Varejos”.

O pequeno empresário do setor está amargando a uma das maiores (senão a maior) crise de todos os tempos. Em função do isolamento social provocado pela pandemia do coronavírus, fechar as portas das lojas está sendo brutal.  Segundo números divulgados pelo IBGE no mês de junho, mais de 200 mil pequenos negócios no comércio encerraram as atividades em definitivo na pandemia, sendo que nenhuma empresa de grande porte – com mais de 500 funcionários – fechou em definitivo.

No entanto, o empresariado brasileiro se mostra resiliente e enxerga na tecnologia um grande aliado para ter fôlego e atravessar esta crise. Hoje já é possível manter um sistema de gestão acessível que é integrado ao e-commerce, permitindo que a solução seja utilizada de forma mais barata e performando sem a necessidade de uma infraestrutura mais robusta e paralela. É facilidade no gerenciamento, no estoque, no produto, na compra, na venda e na manutenção da ferramenta.

E se o cliente não pode ir à loja, a loja vai até o cliente. A venda catalisada pelo WhatsApp é uma realidade cada vez mais consolidada e, hoje, com maior segurança e credibilidade das plataformas, é possível fazer todo o processo: envio de mostruário, garantir uma boa jornada e experiência do cliente, link para pagamento e agendamento de entrega.

Na medida em que ainda temos um horizonte sanitário incerto, o futuro será indiscutivelmente mais digital. Em função da pandemia tivemos um aculturamento digital e, mesmo que ainda alguns pequenos varejistas estejam receosos (o que é normal, toda mudança é difícil), já sabemos: não existe vida fora da tecnologia.

Maigui Souza é diretor de produto da CIGAM S.A – Gestor

Follow About Magazine on WordPress.com

Donation

Media support

For the good journalism

R$5,00

Sobre gcentenaro (842 artigos)
About Magazine's Publisher
%d blogueiros gostam disto: